30 maio 2019

3 coisas que você precisa saber para priorizar investimentos na sua empresa

Uma das maiores dificuldades de empresas médias e pequenas é a priorização dos recursos. Todo mundo, incluindo a gente aqui na Biz, possui recursos limitados e projetos infinitos. Priorizar não é fácil: lançar uma nova loja ou um novo produto? Expandir ou reformar? Investir em marketing digital ou em um outdoor?
leitura de 4 min
3 coisas que você precisa saber para priorizar investimentos na sua empresa

Uma das maiores dificuldades de empresas médias e pequenas é a priorização dos recursos. Todo mundo, incluindo a gente aqui na Biz, possui recursos limitados e projetos infinitos. Priorizar não é fácil: lançar uma nova loja ou um novo produto? Expandir ou reformar? Investir em marketing digital ou em um outdoor?

Como tornar esse processo mais fácil? Temos três coisas para compartilhar:

  1. Quanto dinheiro você tem para investir?
  2. Qual o retorno esperado de cada investimento?
  3. Qual o seu custo de oportunidade?

Primeiro passo: quanto dinheiro você tem para investir?

Novos projetos de crescimento precisam de dinheiro, não tem jeito. E antes de pensar em quais projetos priorizar, precisamos entender quais são as fontes de capital que podem viabilizá-los.

Primeira fonte é o capital próprio

Todo empreendedor sabe disso. Começar uma empresa exige sacrificar recursos da família ou que estavam guardados para comprar a casa nova ou trocar de carro. Normalmente esse é o primeiro dinheiro que a empresa recebe, e o que tirar o negócio do papel.

Segunda fonte é trazer sócios para o negócio

Quando se tem uma ideia boa, outras pessoas também querem fazer parte. Muitos empreendedores recorrem a capital de sócios para, junto com o capital próprio, compor o investimento necessário para fazer a empresa crescer. Muitas empresas de tecnologia, como a Biz, seguem esse caminho. Nem sempre concretizar um projeto cabe no nosso bolso sem alguém ao lado.

Terceira fonte é um financiamento

Nem sempre disponível para o empreendedor no início da vida da empresa, mas sempre uma opção. Bancos e fintechs de crédito estão sempre em busca de empreendedores com novas ideias de projetos e potencial de crescimento. O lado positivo é que nesse caso o negócio continua sendo só seu, mas em troca existem pagamentos mensais que precisam ser feitos.

Segundo passo: qual o retorno esperado do investimento?

Vamos definir juntos o que é retorno do investimento. Nada mais fácil que um exemplo: o João tem um quiosque de bolos artesanais no shopping. Vende de 30 a 40 bolos todos os dias. A loja dele está cheia todos os dias, mas ele não consegue fazer mais que 40 bolos em um dia. Ele já está usando o forno da casa dele, do vizinho, da mãe e até o da sogra.

João então teve a ideia de comprar um forno profissional. Ele acha que com esse forno ele vai conseguir produzir 50 bolos em um dia. O problema: o forno custa 20 mil reais e o fabricante falou que tem dois anos de garantia. Será que vale a pena João comprar a nova máquina? Qual o retorno esperado?

O investimento no novo forno tem um retorno anual do investimento de 50%. Em apenas dois anos João vai recuperar o investimento dele.

Como calcular retorno esperado do investimento?

Terceiro passo: qual o seu custo de oportunidade?

A parte crucial da nossa análise: sozinho, o retorno não quer dizer nada, precisamos comparar com alguma coisa. Para isso, usamos o Custo de Oportunidade. Custo de oportunidade pode ser quanto custa o dinheiro para a sua empresa ou qual a segunda melhor opção de investimento.

Voltando ao João: lá no passo 1 falamos sobre a possibilidade de um empréstimo para empresas para financiar um novo projeto. Vamos supor que o João da Loja de Bolos conseguiu um empréstimo a 2% de juros ao mês. No ano, isso dá um juros de 27% ao ano. Esse é o custo do dinheiro para loja do João. Como 50% é maior que 27%, então vale a pena sim o João pegar um empréstimo para comprar o novo forno.

Descobrimos também que João tem uma segunda opção para crescer o negócio: começar a vender café espresso na loja dele. Fazendo a mesma conta que fizemos acima, descobrimos que se João comprasse a máquina de café espresso importada da Itália, ele teria um retorno anual no investimento de 30%, ou seja, recuperaria o dinheiro em pouco mais de 3 anos. A decisão lógica para João seria continuar com o plano dele de investir no novo forno, que daria um retorno de 50% > 30%. Se olhamos para a máquina de café espresso, também valeria a pena pedir um empréstimo para comprar a máquina, mas João sairia quase no zero a zero.

Juntando tudo

Priorizar investimentos é investir o dinheiro da empresa ordenando dos projetos de maior até o menor retorno, até o retorno do investimento ficar menor que o custo do dinheiro para a empresa.

Gostou do nosso conteúdo? Siga a BizCapital nas nossas redes sociais e acompanhe nosso conteúdos fresquinhos saídos do forno!

ver tudo sobre: dicas de gestão