28 nov 2018

Guia Completo: tudo o que você precisa saber sobre Capital de Giro!

leitura de 15 min
Guia Completo: tudo o que você precisa saber sobre Capital de Giro!

Quando falamos na sustentabilidade e no crescimento de um negócio é preciso ter em mente que esses dois fatores dependem diretamente de como anda a saúde financeira daquela empresa. Se as contas não batem, se o retorno ainda é menor do que o investimento e se não existe capital de giro suficiente para sustentar as atividades do empreendimento, muitos problemas podem aparecer.

De acordo com um estudo realizado pelo Sebrae-SP, cerca de 27% das novas empresas no Brasil encerram as suas atividades logo no primeiro ano de funcionamento. Esse número cresce ainda mais e chega a 50% quando falamos dos negócios que fecham as portas nos quatro primeiros anos de existência.

A mesma pesquisa ainda revela que dentre as principais causas de falência no país está a falta de planejamento no que se refere ao capital de giro. Isso porque, apesar de ser um conceito essencial e parte importante da administração financeira de qualquer negócio, muitos empresários o consideram como algo secundário.

Grande parte do sucesso de uma organização está totalmente atrelado a uma boa gestão e a uma saúde financeira positiva. Assim, para te ajudar a entender o que é o capital de giro, como calcular, qual a relevância para a sustentabilidade econômica da sua organização e quais os bons resultados que ele pode trazer, nós preparamos um conteúdo completo.

Continue lendo este artigo e entenda tudo o que você precisa saber sobre capital de giro!

O que é o capital de giro?

Tão importante quanto a definição do capital social, é a definição do capital de giro. Por isso, esse deve ser um dos primeiros passos dados pelo empreendedor.

Podemos entender o capital de giro como todos os recursos demandados de curto prazo em uma empresa. Ou seja, quanto o negócio tem para arcar com os custos e despesas fixas e variáveis, ou então o montante que mantém a organização enquanto o dinheiro não retorna para o caixa. As finanças precisam estar em ordem e deve haver um equilíbrio entre o que entra (ativo circulante) e o que sai (passivo circulante).

Assim, o capital de giro é composto por:

  • Ativos disponíveis: dinheiro que já está em caixa para pagar as contas do dia a dia;
  • Estoques: quantidade de recursos que você precisa manter no estoque da empresa;
  • Clientes a receber: quantia que você precisa ter para conseguir financiar o prazo de pagamento que dá ao seu cliente.

Não podemos confundir, portanto, o capital de giro com o investimento fixo de um negócio. Este último, por sua vez, representa toda a estrutura que já foi adquirida para o funcionamento inicial da empresa, como imóveis, equipamentos ou matéria prima.

Um bom exemplo para o uso do capital de giro são os períodos de sazonalidade. É comum que alguns meses sejam melhores do que outros para qualquer empresa e que, às vezes, o ponto de equilíbrio não seja atingido.

É nessa hora que um capital de giro bem planejado e bem estruturado faz toda a diferença. Quando isso acontecer, ele será responsável por suprir as demandas financeiras básicas, como o pagamento de funcionários e de contas de consumo.

Dentro do conceito macro de capital de giro, existem algumas outras definições específicas da necessidade de cada empresa. Entenda quais são elas:

Capital de giro líquido

O capital de giro líquido leva em consideração a facilidade com que aquele ativo pode ser revertido em dinheiro para que o empresário possa dar conta dos compromissos financeiros assumidos em curto prazo pelo seu negócio.

Dessa maneira, ele representa o montante de recursos financeiros da empresa, com exceção dos bens e imóveis, uma vez que os mesmos não estão disponíveis para uso no dia a dia.

Capital de giro negativo

Estar com o capital de giro negativo significa que a organização está gastando mais do que recebendo e, mesmo somando todos os recursos disponíveis, não será suficiente para pagar todas as contas.

Vale salientar que, se a empresa está no começo ou em fase de expansão, é comum que os custos e investimentos sejam maiores que o retorno ao caixa. Essa situação deve tornar-se preocupante caso se estenda por longos períodos.

Capital de giro próprio

É o montante que a empresa possui para se sustentar e continuar rodando sem a necessidade de contrair um empréstimo. Aqui, todas as contar estão em equilíbrio e a diferença entre o ativo e o passivo circulante tem um saldo positivo.

Capital de giro ligado a investimentos

O capital de giro também pode ser utilizado para cobrir as despesas que a empresa tem durante o período de expansão. Por exemplo: se o empreendedor investe em uma nova tecnologia para aumentar a produção, é preciso ter capital de giro para bancar a maior quantidade de matéria prima que será utilizada.

Existe diferença entre capital de giro e fluxo de caixa?

A resposta é sim! Do mesmo jeito que o significado de capital de giro pode ser confundido com o investimento fixo de uma empresa, algumas pessoas também o misturam com o conceito de fluxo de caixa. Apesar de serem complementares, é importante entender que os dois são coisas diferentes.

Enquanto o fluxo de caixa é caracterizado pela maneira como o dinheiro é administrado pela organização e pelo movimento de entrada e saída do caixa, o capital de giro é o valor que a empresa tem para uso, ou seja, é a diferença entre o que entrou e o que saiu.

E entre capital de giro e estoque? Existe relação?

A resposta aqui também é sim. Hoje em dia, ainda é grande o número de empresas trabalham com estoque de produtos e, por isso, ele deve ser visto como parte integrante do capital de giro. Além de representar o dinheiro que entrará no caixa futuramente, o estoque também gera gastos, como transporte e manutenção.

Qual a importância do capital de giro para a sua empresa?

Além de garantir a organização e a saúde financeira, possibilitando, assim, a sustentabilidade, o desenvolvimento interno e a expansão do negócio, ter conhecimento de quanto a sua empresa precisa para se manter facilita e ajuda na administração. Calcular corretamente o capital de giro também traz alguns benefícios que permitem uma gestão mais assertiva e, consequentemente, mais eficiente. Veja abaixo quais são eles:

1 – Auxilia na avaliação e no gerenciamento de riscos

Como já falamos anteriormente, um capital de giro bem definido e estruturado faz parte da estratégia de administração de um negócio. Ele garante liquidez à empresa e pode ser convertido em dinheiro sempre que for necessário. É nesse momento que acaba contribuindo também para o gerenciamento de riscos.

Tanto em pequenas, quanto em médias ou grandes empresas, quando essa análise não é feita corretamente pode ocasionar muitos prejuízos financeiros, operacionais e até jurídicos. Ao considerar o capital de giro como o principal elemento do fluxo de caixa, uma avaliação de riscos acompanha o orçamento e alerta sobre possíveis vulnerabilidades na empresa. Desse modo, é possível antecipá-las e preveni-las.

Um bom exemplo para esse caso é a determinação de metas para as taxas de inadimplência. Por meio dessa análise é possível estabelecer o ponto limite para que o orçamento da empresa não seja prejudicado e que o capital de giro não seja impactado.  

2 – Garante mais previsibilidade

Além de perder a credibilidade do mercado, uma empresa que está endividada tem também o seu crescimento comprometido. Por isso, estar com a previsibilidade das suas finanças em dia é extremamente importante para assegurar o equilíbrio da organização.

Como o capital de giro é o responsável por pagar as contas de curto prazo, com ele é possível planejar melhor o futuro e evitar problemas e dívidas de curto ou médio prazo que possam aparecer.

3 – Melhora a gestão e o controle financeiro

O capital de giro sinaliza qual o montante que a organização precisa ter para manter o seu próprio funcionamento. Nessa avaliação devem ser entendidas todas as etapas do processo produtivo, desde a matéria-prima até o retorno do dinheiro para o caixa.

É papel do gestor acompanhar os prazos e os valores para poder antecipar qualquer necessidade de capital. Ter conhecimento desse comportamento é muito importante e ajuda o empreendedor a entender a rotina empresarial, as necessidades do negócio, a verificação dos processos, o controle financeiro e as tomadas de decisão.

4 – Impulsiona o crescimento da empresa

No mundo dos negócios as oportunidades podem surgir a qualquer momento e é preciso estar atento e preparado para elas. Para investir em estruturas mais modernas, abrir novas filiais, adotar o sistema de franquias ou até mesmo comprar outras empresas é necessário ter um montante líquido de curto prazo disponível para tal. Por isso, quando falamos na expansão de uma empresa, ter um capital de giro organizado faz toda a diferença.

Quais os riscos que o mau controle do capital de giro pode trazer para a sua empresa?

Como citamos nos tópicos acima, planejar um controle financeiro e saber o montante exato do capital de giro são coisas que trazem muitos benefícios para qualquer empresa.

Além de identificar o melhor momento para comprar, será possível estimar os prazos que o seu negócio pode assumir e evitar o desequilíbrio entre os pagamentos e os recebimentos. As contas de curto prazo são pagas, o caixa se mantém no positivo e há a possibilidade da criação de riquezas em longo prazo.

Quando o controle do capital de giro não é feito da maneira correta os riscos operacionais para a empresa aumentam, comprometendo o bom andamento das atividades internas e correndo o risco de deixar o caixa no vermelho por conta das dívidas que se acumularam.

Essa gestão financeira ineficiente pode ser considerada como uma das principais razões para a quebra de uma empresa. Infelizmente, se o dinheiro não for suficiente, a empresa não resiste e pode ir à falência. Por isso, é indispensável realizar esse controle.

Como calcular o capital de giro?

Para começar a calcular o capital de giro ideal do seu empreendimento é preciso identificar todas as variáveis que estão relacionadas com a operação do negócio. Alguns fatores que podem influenciar o montante necessário são:

  • O tipo de negócio: empresas comerciais, indústrias, bancos, serviços públicos, entre outros tipos de negócio exigem capitais de giro de tamanhos diferentes, uma vez que as demandas e o fluxo de caixa também são diferentes;
  • A dimensão da unidade de negócio: o cálculo do capital de giro depende proporcionalmente do volume de negócios;
  • A rotatividade dos estoques: essa relação também é proporcional. Por exemplo, se o estoque de uma empresa for grande, mas o volume de negócios for lento, há uma necessidade maior de capital de giro;
  • O processo de produção: um processo de fabricação mais longo e complexo exige um capital de giro maior. O tipo de produção também é um fator de influência, dependendo se a empresa opera com máquinas e automação ou com mão de obra assalariada;
  • As condições de compra e de venda: se a empresa utiliza crédito para fazer suas compras, o capital de giro pode ser menor. Agora, se as vendas também forem feitas a crédito, o capital de giro precisa ser maior.

Agora que você já definiu e identificou os pontos que ajudam a determinar o valor do seu capital de giro, chegou a hora de colocar a mão na massa e fazer os cálculos!

Em primeiro lugar, você precisa saber quais são os ativos circulantes (AC), ou seja, todos os recursos que, quando somados, geram a receita da empresa (caixa, estoque, contas a receber ou aplicações financeiras). Podemos considerá-los como investimentos, e quanto maiores eles forem, maior será o prazo médio para retornarem em dinheiro e mais recursos serão necessários para cobrir esse período.

Além disso, é preciso previsionar também qual é o custo fixo da sua empresa (gastos como aluguel, conta de energia, conta de água ou salários) e ter uma estimativa dos custos variáveis da mesma (contas relacionadas com a compra e a venda dos seus produtos, como matéria-prima ou equipamentos). À soma desses dois podemos dar o nome de passivo circulante (PC).

Depois que já tiver essas duas variantes determinadas é possível calcular o capital de giro (CG), que pode ser representado pela seguinte fórmula:

CG = AC – PC

Vamos supor que uma empresa possui R$40 mil para receber de seus clientes e R$50 mil de contas para pagar, colocando na equação ficaria assim:

CG = R$40 mil – R$50 mil

CG = – R$10 mil

Isso significa que a necessidade de capital de giro daquele negócio para que ele continue rodando é de R$10 mil.

O resultado dessa fórmula pode ser o ponto chave tanto para o sucesso quanto para o fracasso de muitos empreendimentos. Por isso, é importante calcular o capital de giro corretamente e tratá-lo como uma das prioridades do seu negócio.

Se houver alguma dificuldade para determinar tais números, é indicado que se procure um especialista da área que possa te orientar.

Como obter o capital de giro para a sua empresa?

Depois de calcular qual o montante que você vai considerar para estabelecer como capital de giro empresarial, está na hora de encontrar as fontes que te ajudarão a organizá-lo. Se o seu negócio já está girando sozinho e se a conta entre o prazo de recebimento dos clientes, o tamanho do estoque e o prazo de pagamento dos fornecedores fecha de maneira positiva, você está indo muitíssimo bem.

Algumas dicas básicas são diminuir o prazo de recebimento da sua empresa, tentar negociar melhor com os seus fornecedores, otimizar o estoque e alinhar bônus com os times comercial, vendas e controladoria para que os mesmos se preocupem em garantir os melhores prazos de pagamento para cada uma das áreas.

Mas nem todos os casos são fáceis dessa maneira. É super comum que algumas empresas que estão em fase inicial e precisam do recurso para expandir não consigam obter o capital de giro sozinhas e, por isso, precisem recorrer a estratégias de ampliação ou à ajuda de fontes terceiras.

Principalmente para os micro e pequenos empresários, uma renda extra é fundamental enquanto os custos ainda são maiores do que os ganhos. Nesses momentos, aderir aos empréstimos é uma prática recorrente e que, quando feita de maneira organizada e planejada, trará muitos benefícios e servirá como pontapé para alavancar as atividades do negócio.

Entenda quais são as principais modalidades que podem ser usadas como capital de giro:

Financiamentos

Na grande maioria dos casos, equipamentos e materiais podem ser financiados pelas empresas. Aqui existem taxas de juros anteriormente fixadas e o prazo de pagamento pode ser mais longo. A grande dificuldade é que existe a exigência de garantias reais, como imóveis, recursos próprios e até mesmo o próprio objeto que foi financiado.

Cartão de crédito

Além de canalizar todas as despesas em um único lugar, o cartão de crédito para empresas também permite um planejamento e um controle financeiro. O pagamento pode ser feito de uma só vez, evitando possíveis juros, ou de forma parcelada.

Mas fique atento: se não for usado da maneira correta o cartão de crédito pode representar um perigo e, com o tempo, se transformar em uma boa de neve.

Cheque especial

A principal vantagem do cheque especial é poder ser usado em uma situação de emergência, uma vez que ele é um limite de crédito disponível na conta corrente para além do salto positivo que lá está. Mas assim como o cartão de crédito é preciso usar com responsabilidade, pois os juros são muito altos e podem resultar em uma grande dívida para a empresa.

Empréstimos online e sem garantias

Uma das maneiras mais simples, rápidas e baratas de garantir o capital de giro da sua empresa é optar pelos empréstimos online sem garantias. Além de terem taxas mais vantajosas para o empreendedor, são bem manos burocráticos que os empréstimos convencionais. Você recebe a resposta referente a sua análise de crédito em até dois dias e pouco depois o montante já é disponibilizado para você.

A BizCapital é especializada nesse tipo de empréstimo e tem como foco de atuação a desburocratização dessa prática para facilitar a vida de micro e pequenos empreendedores e impulsionar novos negócio.

 

E aí, gostou deste artigo? Nós, da BizCapital, estamos aqui para ajudar empresários que desejam ver o seu negócio decolar! Fique de olho em nosso blog e confira outras dicas sobre o mundo do empreendedorismo.

Conheça melhor a nossa empresa pelo site www.bizcapital.com.br e para solicitar um empréstimo sem garantias de maneira rápida e fácil, acesse: bizcapital.com.br/direto 🙂

ver tudo sobre: dicas de gestão