25 jul 2019

Financiamento de Máquinas e Equipamentos: 2 dicas para tomar decisão

leitura de 4 min
Financiamento de Máquinas e Equipamentos: 2 dicas para tomar decisão

Em algum momento na vida de um negócio, vai existir a necessidade da renovação de um equipamento, seja por desgaste do atual, aumento da capacidade de produção ou modernização. O uso de empréstimo para a compra de máquinas e equipamentos pode ser um instrumento valioso na hora de conservar o fluxo de caixa da empresa. Vamos examinar essa ferramenta e entender até que ponto vale a pena você utilizá-la na compra do seu próprio equipamento.

A minha empresa precisa de um novo equipamento?

A primeira análise que tem que ser feita é a da real necessidade de um novo equipamento para a sua empresa. Periodicamente, o empresário deve avaliar se os seus equipamentos atuais seguem atendendo a necessidade do negócio. Uma forma simples de realizar esta análise é acompanhar a capacidade de produção do equipamento ao longo da sua vida útil. Caso o equipamento já não esteja produzindo de acordo com o estabelecido no momento em que realizou o planejamento financeiro do seu negócio, esse provavelmente é um bom momento de renová-lo. Outra maneira interessante, é se manter sempre atualizado com relação ao mercado e avaliar se existe alguma nova ferramenta com capacidade de produção superior a sua atual. 

Exemplo:

Imagine uma padaria que possui uma máquina com capacidade de produção de 1.000 pães por dia, ao custo unitário de R$ 3,00 e valor unitário de venda de R$ 5,00. Ao mesmo tempo, existe uma nova máquina no mercado que produz 1.200 pães ao dia, ao custo unitário de R$ 2,50. Ao substituir a máquina antiga pela mais atual, a padaria pode aumentar a sua produtividade e melhorar sua margem de lucro bruto, como pode ser visto na demonstração abaixo.

Cenário de produtividade e melhorar sua margem de lucro bruto

Devo financiar o meu equipamento com um terceiro?

Feita essa análise, é hora de você definir como vai financiar essa compra. Existem duas maneiras de financiar uma compra: através de recursos próprios ou de recursos de terceiros. A forma de analisar que tipo de recurso utilizar deve ser sempre a mesma, através do custo de capital. O custo de capital, de forma simples, é a taxa de juros mínima que o empreendedor espera receber ao realizar um investimento. Por exemplo, se um investidor define que quer obter um retorno mínimo de 10% com um investimento, pode-se considerar que esta alternativa possui atratividade econômica apenas se o investimento atingir os 10% esperado.

No caso do capital de terceiros, o custo de capital é a taxa de juros cobrada pela instituição financeira pelo empréstimo. No caso do capital próprio, essa taxa pode ser interpretada como um custo de oportunidade, ou seja, o retorno da melhor oportunidade financeira que o investidor renúncia ao optar por utilizar outros recursos. 

Exemplo:

Na compra de um novo equipamento no valor de R$ 100.000,00, o empreendedor tem a possibilidade de conseguir um empréstimo neste mesmo valor com taxa anual de 20%.

Essa taxa reflete o custo de capital de terceiros. Ao mesmo tempo, a empresa tem a possibilidade de investir esse mesmo valor para entrar em um novo mercado em que a margem de retorno estimada é de 30% ao ano. Essa taxa reflete o custo de oportunidade para a empresa. Cabe ao empreendedor avaliar onde deve investir o seu recurso. 

Ao utilizar recursos próprios na sua compra, o empreendedor opta por não utilizar o dinheiro para investir no dia a dia do seu negócio. Se existem oportunidades dentro do negócio que podem ter um retorno atrativo, onde o empreendedor poderia usar o capital próprio e a empresa possui esse caixa disponível, por que não investir no sucesso da empresa? Agora, se esse capital não está disponível, muitas vezes o custo de um empréstimo vale a pena.

Conclusão

Em resumo, os principais pontos que o empreendedor deve avaliar ao escolher entre usar recursos próprios e de terceiros na compra de um equipamento são:

Custo de Capital – Comparar as taxas de custo de capital próprio e capital de terceiros em um modelo financeiro adequado. Avaliar a taxa de juros cobrada no financiamento e o quanto as parcelas irão afetar o seu fluxo de caixa.

Valor Agregado do Equipamento – O quanto um novo equipamento irá aumentar a sua produtividade e melhorar a margem de lucro do seu negócio.

Impacto no Fluxo de Caixa – O quanto o valor investido em um novo equipamento pode afetar o capital de giro do negócio que, de forma simples, é o descasamento entre o que a empresa tem a pagar e a receber no curto prazo. O uso do empréstimo pode dar uma oportunidade para a empresa diminuir a necessidade desse capital de giro. 

Deduções de Impostos – O quanto de impostos a empresa pode deduzir com os custos de manutenção e depreciação do novo equipamento.

A BizCapital pode te ajudar na compra do seu equipamento. Faça uma simulação e veja se faz sentido para o seu negócio.

Quer saber mais, fique ligado no nosso blog e acompanhe as nossas redes sociais. Temos sempre dicas para ajudar o empreendedor a conquistar a saúde financeira da sua empresa.

ver tudo sobre: guia de empréstimo