20 set 2021

Qual a importância do capital de giro para empresas?

Qual a importância do capital de giro para empresas?

Poucos empreendedores entendem a importância do capital de giro para empresas, mesmo sendo uma das peças mais importantes para a expansão do negócio e a saúde financeira.

Você sabia que o empreendedorismo no Brasil cresceu muito em meio à pandemia? Para se ter uma ideia, o Brasil fechou 2020 com o maior número de empreendedores em toda sua história, segundo o Sebrae.

Nesse contexto, se você está começando um negócio, quer saber como calcular o capital de giro e ampliar seus conhecimentos sobre o tema, criamos esse conteúdo especialmente para você.

Quer saber mais? Vem com a gente!

O que é capital de giro 

Em uma definição objetiva, o capital de giro é a quantidade de dinheiro que sua empresa precisa ter à disposição para cumprir obrigações básicas.

Na prática, é o dinheiro que seu negócio precisa manter na conta bancária para pagar todas as despesas de curto prazo, como energia, softwares, impostos, terceirizados, pagamento de pessoal interno e máquinas, até que novos recebimentos de vendas cheguem ao caixa.

Leia também: como reduzir custos na empresa

A importância do capital de giro

O capital de giro deve estar sempre presente no planejamento financeiro, pois ele está diretamente ligado ao fluxo de caixa, uma vez que o fluxo vai te dar a noção exata dos desembolsos de curto prazo que precisam ser feitos e em quais datas.

Saber o quanto de dinheiro é necessário  para que sua operação esteja sempre em dia vai te dar a visibilidade sobre o quanto sobra para investimentos, aplicações ou aquisições para seu negócio no final do mês.

Se seu formato de negócio envolve vendas a médio e/ou longo prazo, o capital de giro merece uma atenção ainda maior, já que os desembolsos que a empresa terá para as entregas só serão recompensados nos meses seguintes. Com isso, é certo que seu capital de giro será maior.

Vale lembrar que um capital de giro mal administrado ou negativo por muito tempo pode levar a empresa ao endividamento e, em muitos casos, à falência. 

Como calcular capital de giro

Para calcular o capital de giro ideal para sua empresa, é indispensável que você tenha todas as informações financeiras atualizadas. Se você possui conhecimentos contábeis, pode utilizar o Balancete. Caso não conheça a área contábil, pode ser um controle gerencial.

A fórmula para o cálculo é: 

CAPITAL DE GIRO = ATIVO CIRCULANTE – PASSIVO CIRCULANTE

Antes de seguirmos, vamos deixar mais claro o que é ativo e passivo circulante. 

Ativo Circulante

São todos os ativos que podem virar dinheiro em até 12 meses, como dinheiro em espécie, saldo em conta, estoques, valores a receber e aplicações de curto prazo.

Passivo Circulante

São todos os valores que a empresa deve desembolsar e que vencem em até 12 meses, como: pagamentos a fornecedores e salários, impostos, aluguel e despesas em geral.

Pronto! Agora que temos todas essas informações reunidas de forma clara, fica mais fácil fazer o cálculo. Vamos a um exemplo prático? Suponha que os números de seu negócio sejam:

ATIVO CIRCULANTE

  • Conta bancária: R$ 2.000,00
  • Valores a receber: R$ 4.000,00
  • Estoque: R$ 2.000,00

PASSIVO CIRCULANTE

  • Impostos: R$ 1.500,00
  • Salários: R$ 2.500,00
  • Despesas em geral: R$ 2.000,0

Portanto, o capital de giro ideal para a empresa seria de R$2.000,00. Caso esse resultado dê negativo, é preciso fazer uma revisão imediata dos custos e despesas, pois indica que o negócio está com baixa capacidade de pagamento no curto prazo. Isso pode ser um grande risco para a saúde financeira, caso não seja uma decisão administrada.CG = 2.000,00 + 4.000,00 + 2.000,00  – ( 1.500,00 + 2.500,00 + 2.000,00) = 2.000,00Então, o cálculo ficaria da seguinte forma:

Leia também: qual o papel do capital de giro líquido na sua empresa?

Como compor o capital de giro

Existem algumas formas para que sua empresa consiga chegar ao capital de giro necessário que você acabou de calcular. Todas elas vão contar com muito empenho e dedicação, sem esquecer da necessidade de um bom controle financeiro e monitoramento constante.

Algumas empresas possuem uma vida financeira mais saudável e suas entradas cobrem tranquilamente seus gastos mensais, assim, constroem com mais facilidade o montante necessário. Isso não significa, no entanto, que não precisem se atentar às mudanças de preços de fornecedores e gastos internos.

Outras empresas conseguem através de investimentos iniciais dos sócios, mesmo que seja um capital de giro negativo. Estes são casos em que uma empresa tem um capital de giro bom, mas que está diminuindo ao passar do tempo, porque os desembolsos mensais são maiores que as entradas. Não é motivo para preocupação se isso acontecer por um período curto, mas, se a situação se estender, significa que há uma má gestão financeira que precisa ser ajustada.

Se seu negócio não se encaixa em nenhuma destas situações, existem fintechs no mercado que oferecem crédito PJ com taxas muito interessantes. Neste caso, o empreendedor deve se planejar e estar ciente de que seu custo mensal irá aumentar, já que terá que devolver o dinheiro emprestado.

Dicas para gestão de capital de giro

Separamos algumas dicas para que você faça uma ótima gestão de seu capital de giro e recorra às melhores práticas em momentos mais complicados.

Controle de Gastos

Analise seus custos e despesas, fixos e variáveis. Em outras palavras, faça o que for necessário para eliminar desembolsos desnecessários para o momento. Mantenha muita atenção ao fluxo de caixa para manter as finanças em dia.

Disciplina

Seja implacável com seu controle financeiro. Quando for necessário utilizar seu capital de giro para cobrir alguma despesa, devolva o mesmo valor assim que entrar dinheiro em caixa. Não se esqueça: empresas “quebram” por isso.

Negociação

Com os fornecedores, procure as formas de pagamento com prazos maiores ou o pagamento à vista caso consiga um bom desconto. Mas, ainda assim, confira se esse desconto cabe no seu planejamento de capital de giro.

Com os clientes, tente prazos menores para o recebimento ou faça com que estes estejam em datas estratégicas que aliviam a necessidade de muito capital de giro. Mas não perca negócio por isso! Sempre analise a viabilidade.

Antecipação de Recebíveis

Esta modalidade pode trazer grandes vantagens para seu negócio. Por isso, analise as taxas das instituições que fazem a antecipação de receitas. Em alguns casos, o próprio cliente possui parceria com bancos e consegue taxas vantajosas.

Empréstimo PJ

Como mencionamos acima, o empréstimo PJ é uma ótima alternativa para conseguir capital de giro, mas é fundamental que o pedido de crédito seja planejado. 

“Algumas empresas gastam mais do que faturam e usam o crédito para postergar uma situação e não para fazer o negócio crescer. A ideia do empréstimo PJ é que ele ajude a empresa a lucrar mais, não a se endividar”, explica Cristiano Rocha, diretor de crédito e cofundador da BizCapital.

Na BizCapital, por exemplo, as condições do empréstimo PJ são personalizadas de acordo com o seu negócio, a resposta do pedido sai em poucos minutos e todo o processo é feito pelo seu computador ou celular. Para fazer sua solicitação agora, é só clicar no botão abaixo.

Leia mais: conheça o MaisBiz, nova linha de crédito rápido da BizConta

E aí, aprendeu a analisar e gerir o capital de giro para empresas? Então, compartilhe essa informação com a sua rede de contatos e bons negócios para você 🙂

André Galhardo é economista-chefe da Análise Econômica Consultoria, professor universitário nos cursos de Ciências Econômicas, Administração e Relações Internacionais, coordenador do Grupo de Pesquisa DEPEC da UNIP e Mestre em Economia Política pela PUC-SP. Possui ampla experiência em análise de conjuntura econômica nacional e internacional, e é autor do livro “O Salto do Sapo: a difícil corrida brasileira rumo ao desenvolvimento econômico”.

ver tudo sobre: dicas de gestão