O que é capital de giro líquido?

postado em: capital de giro | 0

Como já enfatizamos em vários posts deste blog, o capital de giro é a mágica que faz a empresa acontecer. É ele quem paga pelos funcionários, pela energia, pela internet, pelo aluguel e por todas as outras contas de curto prazo. Hoje vamos falar mais especificamente do capital de giro líquido, que é a parte circulante do capital total.

A importância do capital de giro

Em quase todas as empresas, as contas são pagas à posteriori, ou seja, após o consumo do produto ou serviço. Contudo, a medida em que o consumidor final se aproxima, esticam-se também os prazos de recebimento. Em geral, os prazos concedidos por fabricantes e distribuidores são menores que os dos varejistas.

Na prática, a maior parte das empresas precisa de algum recurso para cobrir a diferença entre os prazos de pagamento e recebimento. Este recurso é o capital de giro, o qual pode estar apresentado sob a forma de duplicatas, matéria prima, estoques ou dinheiro.

Sem o capital de giro, não importam a tecnologia, as máquinas, os colaboradores, etc. nada funcionará e não haverá lucro. Os recursos de curto prazo são os que podem transformar os insumos em lucro, todo o resto é atividade assessória.

O que é especificamente o capital de giro líquido?

Enquanto o capital total vem a ser medido pela diferença entre ativos e passivos, o CGL considera apenas as partes circulantes. O capital de giro líquido então vem a ser representado pela fórmula: CGL = AC – PC.

Como sabemos, ativo circulante é tudo aquilo que será transformado em caixa em até 12 meses. Já os passivos circulantes são as contas que deverão ser liquidadas em até 12 meses. Para conhecer a quantidade de capital necessária ao funcionamento da empresa, é necessário usar a necessidade de capital de giro.

Através do CGL, a empresa pode conhecer o volume de capital necessário à operação saudável dos negócios da firma. O CGL mostra a eficiência que a empresa está tendo em financiar suas operações de curto prazo através de recursos de longo prazo. Quanto maior o CGL, mais líquida é a empresa, e quanto menor, mais arriscado é o negócio.

Calculando o CGL na prática

Antes de realizarmos o cálculo do CGL é preciso diferenciar os ativos e passivos circulantes dos não circulantes. Alguns exemplos são dados abaixo:

  • Ativos Circulantes

– caixa e bancos

– duplicadas a receber

– aplicações financeiras

– estoques

  • Passivos circulantes

– fornecedores a pagar

– impostos a pagar

– salários a pagar

– empréstimo de curto prazo

Uma vez que já se sabe identificar os passivos e ativos de curto prazo é hora de calcular o CGL. Vamos calcular o capital de giro líquido da empresa X.

Ativo

Passivo

Ativo circulante

 

Circulante

 

      Caixa

             200,00

      Contas a pagar

     250,00

      Estoques

             150,00

      salários a pagar

     120,00

      Duplicatas a receber

             120,00

       impostos a recolher

     150,00

Ativo não circulante

 

empréstimos de curto prazo

     100,00

Investimentos de longo    prazo

             400,00

Não circulante

 

      máquinas

             300,00

Empréstimos e financiamentos

     450,00

      imóveis

             500,00

provisões de perdas futuras

     200,00

       intangível

             150,00

Patrimônio líquido

 

       diferido

               80,00

         Ações em tesouraria

     630,00

Total do Ativo

         1.900,00

Total do Passivo e PL

  1.900,00

 

Os ativos circulantes da empresa somaram $470, enquanto os passivos circulantes somaram $620. Neste caso o capital de giro líquido será de -$150, ou seja, a empresa está com dificuldades de liquidez. Os administradores financeiros devem procurar meios de abastecer seu caixa para cobrir este vácuo.

Geralmente, aumentos nas disponibilidades resolvem este problema, o que pode ser feito através de empréstimo para capital de giro. Se a empresa persistir nesta situação por longos períodos, certamente entrará em insolvência e irá à falência.

O efeito do custo do capital de giro líquido sobre os resultados da empresa

O capital de giro líquido possui um custo, o qual variará de acordo com as fontes de fornecimento deste capital. Se o capital de giro líquido for de fontes próprias, seu custo será a taxa de juros da economia, mas se for oriundo de terceiros, seu custo será o da taxa de juros cobrada pela instituição financeira. O custo total sempre será a média ponderada do custo e proporção do capital de giro líquido.

Se a empresa financia seu capital de giro com empréstimos, seu resultado financeiro será afetado negativamente pela taxa de juros. Contudo, o aumento de capital via empréstimos pode elevar as receitas, aumentando assim o lucro. Por isso é ideal que se financie o capital de giro líquido através de fontes simples e baratas. Boas fontes são por exemplo, as fintechs como a Biz Capital.

Fatores que afetam o capital de giro líquido

Alguns fatores devem ser monitorados, pois afetam de maneira significativa o capital de giro líquido. Tais alterações podem ser para melhor ou para pior.

  • Afetam de Maneira Positiva

– Elevação do saldo de contas a receber

– Aumentos nas disponibilidades

– Aumento das vendas à vista

– Redução dos prazos de recebimento

– Elevação dos prazos de pagamento

– Redução no saldo de contas a pagar e impostos a recolher

– Reserva de lucros

  • Afetam de Maneira Negativa

– Elevação desproporcional do endividamento de curto prazo

– Esvaziamento do caixa

– Aumento dos prazos concedidos

– Redução dos prazos para pagamento

É importante entender que o capital de giro líquido não é o volume necessário de capital para se operar. Este número é dado pela NCG (necessidade de capital de giro). O CGL é uma medida de liquidez, a qual verifica se a empresa consegue financiar-se no curto prazo.

Para melhorar o resultado do índice de capital de giro líquido, o ideal é elevar as disponibilidades. Empréstimos específicos para capital de giro tem exatamente esta função, possibilitar a operação da empresa no curto prazo.

Conclusão

O capital de giro líquido dirá se a empresa está sendo bem administrada ou não. Pouco adiantará a uma organização, ter uma excelente equipe, bons produtos e ótimo marketing, se não houver capital de giro. Sem a saúde deste imprescindível indicador, todo o esforço técnico e administrativo será perdido.

 

E aí, gostou deste artigo? Nós, da BizCapital, estamos aqui para ajudar empresários que desejam ver o seu negócio decolar! Fique de olho em nosso blog e confira outras dicas sobre o mundo do empreendedorismo.

Conheça melhor a nossa empresa pelo site www.bizcapital.com.br e para solicitar um empréstimo sem garantias de maneira rápida e fácil, acesse: direto.bizcap.com.br 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *