03 jan 2018

Como fazer uma demonstração de fluxo de caixa (DFC)?

leitura de 6 min
Como fazer uma demonstração de fluxo de caixa (DFC)?

Os conhecimentos básicos sobre assuntos relacionados à contabilidade e registro de movimentações financeiras são pré-requisito para uma gestão de sucesso. Saber o que está acontecendo com o capital da empresa e manter todas as informações organizadas é extremamente importante quando o objetivo é ter um empreendimento saudável e com possibilidades de crescimento.

A partir disso, a declaração de fluxo de caixa é uma forte aliada na tarefa de registrar e administrar todos os recursos envolvidos na atividade empresarial. Ela indica quais foram as entradas e saídas de dinheiro no caixa da empresa e, assim, evidencia em qual contexto a empresa se encontra e qual é sua capacidade de gerar caixa e equivalentes de caixa.

Além de ser uma declaração obrigatória para muitos tipos de empresa, a DFC permite ao gestor conhecer o contexto financeiro e as possibilidades do seu empreendimento no curto prazo. A partir dela, também é possível detectar situações de fraude ou erros contábeis.

Dada sua importância, listamos a seguir alguns passos importantes para quem quer saber como fazer demonstração de fluxo de caixa e garantir a prosperidade e organização financeira do seu negócio. Confira e tire suas dúvidas sobre o tema!

Como é estruturado um Demonstrativo de Fluxo de Caixa?

O Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC) é estruturada em torno das atividades operacionais, de investimento e de financiamento. Segundo o Portal da Contabilidade, essa estrutura é resultado da aprovação, em 2008, da Deliberação CVM 547/2008 que aprovou o Pronunciamento Técnico CPC 03 e trata da declaração de fluxo de caixa.

O CPC é um Comitê de Pronunciamentos Contábeis que regula as normas contábeis no Brasil e tem como objetivo estudar, preparar e emitir alguns Pronunciamentos Técnicos sobre Procedimentos de Contabilidade. Sendo assim, é necessário cumprir esse regulamento para que seja garantida não só sua saúde financeira, mas também sua legalidade.

A seguir, vamos explicar cada uma dessas atividades envolvidas na estruturação da DFC para que, então, seja possível fazer uma demonstração correta, que cumpra sua tarefa de ajudar na administração da empresa. Acompanhe!

Atividades operacionais

As atividades operacionais são as principais movimentações geradoras de receita da empresa. A partir delas, é estruturado o montante de fluxo de caixa que permite o cumprimento de obrigações como pagamento e recebimentos de fornecedores, amortização de empréstimos, manutenção da atividade operacional, pagamento de custos fixos, dentre outras.

Todos os eventos que não se enquadram em atividades de investimento ou financiamento são classificados como atividades operacionais — que abarca os processos desde a produção até a venda do produto final.

Atenção para as atividades de investimento

Quem está em busca de como fazer demonstração de fluxo de caixa eficiente deve dar atenção às atividades de investimento. Elas consistem na movimentação de ativos, seja por meio de compra ou venda dos mesmos.

Dentre esses ativos, a aquisição de equipamentos, obras de arte e/ou participação em outras empresas são alguns exemplos que se enquadram no grupo de investimentos. Para fazer parte dessa classificação, é preciso observar se o objetivo do ativo é trazer benefícios e rendimentos para a empresa. Contudo, tais bens não devem desempenhar papel fundamental na manutenção das atividades consideradas rotineiras e nem mesmo serem essenciais ao funcionamento normal da companhia.

Dessa forma, podemos concluir que qualquer ativo não circulante que traga benefícios para empresa pode ser enquadrado como atividade de investimento.

Atividades de financiamento

Já as atividades de financiamento são aquelas realizadas para financiar as atividades empresariais. Quando a necessidade de recurso não pode ser suprida pela própria empresa, é necessário captar capital de terceiros para que sejam mantidas as atividades operacionais.

Seja por meio da emissão de debêntures, empréstimos, notas promissórias ou outros títulos de dívida, o registro das atividades de financiamento permitem uma previsão das necessidades futuras de caixa e das obrigações que devem ser honradas nos próximos períodos.

Como analisar o Resultado da DFC?

A estruturação do fluxo de caixa e sua demonstração é a soma do resultado líquido dos três tipos de atividade que a DFC engloba. Como aponta o Dicionário Financeiro, ele também deve levar em conta a diferença de saldos entre o início e o fim do período considerado.

Esse resultado é uma boa ferramenta para orientar a tomada de decisão do gestor, baseada em números reais que evidenciam a situação financeira da empresa. A partir disso, será possível resolver problemas como pressão para redução de custos, problemas de gestão financeira e de funcionários, melhora do controle de custos fixos e variáveis e negociação com fornecedores.

Métodos de elaboração da DFC

A DFC pode ser elaborada a partir do método direto ou do método indireto. Enquanto o método direto consiste na apresentação dos fluxos de caixa por meio de seus valores brutos, o método indireto determina que esses fluxos devem ser demonstrados a partir do lucro líquido — com o devido ajuste de contas que afetam o resultado, como amortização e depreciação.

O valor bruto corresponde ao valor original, ou seja, realmente o que entrou ou saiu sem reduções. Já o valor líquido consiste na movimentação do fluxo de caixa depois de realizadas algumas deduções.

O primeiro passo para saber como fazer o seu demonstrativo de fluxo de caixa foi dado. Agora é preciso aplicar esses conhecimentos e estruturar a sua demonstração para, então, colher os benefícios que essa prática pode trazer.

Dica: a plataforma Treasy oferece um modelo de demonstração de fluxo de caixa para download gratuito que pode auxiliar no acompanhamento do desempenho financeiro da sua empresa. Que tal começar por aqui? É uma boa forma de aplicar seus conhecimentos para fazer um demonstrativo de fluxo de caixa efetiva.

Ainda que o empreendedor tenha os conhecimentos técnicos necessários para administrar a empresa e dar continuidade ao seu negócio, problemas relacionados à gestão financeira podem ser facilmente resolvidos com o aprofundamento no assunto e alguma ajuda especializada.

Quem pretende se organizar financeiramente, ser mais produtivo ou realizar uma gestão mais eficiente deve se manter sempre atualizado e buscando constante aprendizado, principalmente no que diz respeito à contabilidade e organização financeira. Agora que você já sabe como fazer um demonstrativo de fluxo de caixa, confira 4 dicas práticas para facilitar o dia a dia do gestor financeiro, elas te ajudarão a se aperfeiçoar e ter resultados ainda melhores nos negócios!

Agora, se você precisar de crédito para sua empresa e estiver sem tempo para a burocracia dos bancos, conte com a BizCapital.

Peça uma proposta sem compromisso: https://bizcapital.com.br/direto

Visite nosso site: www.bizcapital.com.br

ver tudo sobre: dicas de gestão